Evento organizado pela UFMG celebra centenário da Cúria Metropolitana de Belo Horizonte

Coleção da Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade / Foto: Alberto Lopes e Renata Leite

Nesta terça, 24 de agosto, a partir das 15h, a UFMG realiza evento que integra a programação em comemoração ao Jubileu da Cúria Metropolitana de Belo Horizonte. O ano do centenário foi iniciado em 11 de fevereiro de 2021 (nessa data, há cem anos, chegou e tomou posse Dom Antônio dos Santos Cabral, primeiro bispo e arcebispo metropolitano) e segue até 22 de abril de 2022. Em razão das medidas de distanciamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia da covid-19, o evento será on-line, com transmissão pelo canal da Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG no YouTube (a gravação ficará disponível).

“Atendemos a esse convite, que nos foi feito por Dom Walmor [Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte], com carinho, deferência e orgulho. Vamos participar, com muita satisfação, da comemoração dos 100 anos da Cúria, cuja história está relacionada com a da própria UFMG, que neste ano completa 94 anos. Ambas as instituições tiveram papel central na história de Belo Horizonte e na formação da capital mineira”, ressalta a reitora Sandra Goulart Almeida. “Somos uma instituição do conhecimento, e nossa contribuição se dará dentro do nosso ethos, propondo uma reflexão sobre a participação da Arquidiocese na história e na cultura mineira e de Belo Horizonte, em especial, no campo da Arte Sacra. Preparamos uma programação especial com participação da nossa comunidade para comemorar esta data simbólica.”

O evento será aberto pela reitora e pelo arcebispo metropolitano. Em seguida, a professora Adalgisa Arantes Campos, do Departamento de História e do Programa de Pós-graduação em História da UFMG, fará a conferência magna Um vínculo com o passado: pérolas da arte e devoção na Arquidiocese de Belo Horizonte. Adalgisa é também colaboradora da Faculdade Arquidiocesana de Mariana.

“A Arquidiocese de Belo Horizonte possui um acervo histórico, artístico e paisagístico diverso, e essa característica exige da Cúria um esforço intenso e desafiador”, explica Adalgisa Campos, que também é pesquisadora voluntária do Museu de Arte Sacra em Ouro Preto. Ela explica que a conferência fará um percurso por características artísticas, históricas e devocionais do acervo da Arquidiocese, abordando não apenas os acervos artísticos devocionais, mas também as obras decorativas de sedes paroquiais e capelas menos conhecidas do grande público. Adalgisa é doutora em História Social pela USP, mestre em Filosofia, com bacharelado e licenciatura em História pela UFMG.

Ícones sonoros e visuais
O evento terá também apresentação do Ars Nova – Coral da UFMG, que preparou repertório especial para a ocasião. O miniconcerto inclui as obras Ubi Caritas, de Ola Gjeilo (1978), O Nata Lux, de Morten Lauridsen (1943), O Vos Omnes, de Pablo Casals (1876-1973) – essas peças harmonizam gravações assíncronas dos integrantes – e Dona Nobis, de Carlos Alberto Pinto Fonseca (1933-2006), gravada em execução presencial. O regente do coro é o maestro Lincoln Andrade.

Em seguida, será aberta a exposição Figurações: imagética religiosa no Acervo Artístico da UFMG. “Em seus 93 anos de existência, a UFMG reuniu um expressivo e representativo patrimônio artístico, com aproximadamente 1.700 obras. São objetos, pinturas, gravuras, esculturas, fotografias, entre outros itens, que datam do século 16 ao século 21”, explica o diretor de Ação Cultural da Universidade, Fernando Mencarelli.

A exposição, em formato virtual, foi concebida com base em um recorte do acervo artístico. Foram escolhidas 108 obras presentes em diferentes coleções e unidades da UFMG, e elas foram organizadas em quatro núcleos interpretativos, segundo Verona Segantini, coordenadora do campus Cultural UFMG em Tiradentes e coordenadora da exposição. No ambiente virtual, desenvolvido pelo doutorando da Escola de Belas Artes Pedro Veneroso, o visitante poderá apreciar o conjunto de obras que atualmente estão em exposição em Tiradentes, na Reserva Técnica do Espaço Acervo Artístico da Diretoria de Ação Cultural e em outras unidades da Universidade. A curadoria é de Matheus Drummond, doutorando em História da Arte da PUC-Rio e professor substituto do Departamento de Teoria e História da Arte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. O projeto gráfico da exposição foi coordenado por Brígida Campbell, professora da Escola de Belas Artes da UFMG. O esforço envolveu ainda servidores e estudantes de graduação e pós-graduação.

A atividade final do evento será uma mesa-redonda, coordenada pela professora Verona Segantini e com participação de membros da equipe que concebeu a exposição. A ideia é oferecer uma espécie de visita guiada, propiciando ao público um mergulho no acervo. Como destaca Verona Segantini, “a experiência de idealizar a exposição em formato virtual e de modo remoto possibilitou ampliar o envolvimento de diversas pessoas nos processos de pesquisa, seleção de acervo e concepção da mostra”. Ao longo dos próximos meses, haverá ações relacionadas, como a disponibilização dos vídeos de entrevistas, catálogos e intervenções audiovisuais em Tiradentes e na fachada digital do Espaço do Conhecimento UFMG.

Evento: Arte e devoção: o sagrado sob o olhar diverso da Universidade
24 de agosto, das 15h às 18h
Transmissão no canal da DAC no YouTube

15h – Abertura
15h30 – Conferência Um vínculo com o passado: pérolas da arte e devoção na Arquidiocese de Belo Horizonte, por Adalgisa Campos
16h25 – Apresentação do Ars Nova-Coral da UFMG
16h45 – Abertura da exposição Figurações: imagética religiosa no Acervo Artístico da UFMG
16h55 – Mesa sobre o percurso virtual da exposição
18h – Encerramento

(Por Diretoria de Cooperação Institucional)

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Relacionados